Cinco perguntas básicas para planejar uma região que pretende prosperidade


Quando perguntado pela Agenda Estratégica do Paranhana, como está o seu andamento, se vai dar certo, costumo responder a primeira indagação com um convite de participação, afinal, nada melhor para saber sobre o seu andamento comparecendo aos eventos e reuniões da própria Agenda. À segunda indagação não há resposta, mas procuro dar indícios com outras cinco perguntas. A estas perguntas caberá caberá responder cada cidadão Paranhanense. São elas?

Primeira: Há necessidade de construir um plano estratégico para elevar a qualidade de vida na região? Um plano é olhar para trás, aprender com os erros e conservar as virtudes, ter ciência do presente, suas oportunidades e dificuldades, e olhar para frente com visão de longo prazo. Há necessidade de um plano integrado que tenha uma continuidade ou o negócio é continuar esperando o prefeito? Prefeito que traz o seu plano de governo, quando tem, que normalmente não tem sinergia com o governo que o antecedeu, nem foi discutido nos seus detalhes com os segmentos da população. Ou alguém se lembra de qual era o plano para resolver o problema da saúde em sua cidade, a não ser que saúde seria uma prioridade?

Segunda: Há objetivos comuns suficientes para unir a região em torno do compartilhamento de idéias para o seu desenvolvimento? Pressupomos que todos querem ser felizes e para isso parece ser unanimidade o fato de carecemos de melhores condições de saúde, mais segurança, mais cultura e melhor educação. Ou alguém daqui é contra?

Terceira: Há disponibilidade das lideranças locais para planejar ações em prol da coletividade? Para planejar é preciso arrumar tempo, o que demanda sacrifícios de alguns prazeres. É preciso em muitas vezes tolerância e uma certa dose de paciência, pois os frutos verdadeiros são obtidos só no longo prazo. Estamos dispostos a isso?

Quarta: Há competência para pensar, discutir, planejar e concretizar projetos com visão de longo prazo? A Agenda por si só, com sua metodologia, não leva há lugar algum. Temos que ter um grande desprendimento para avaliar o passado, reconhecendo e assumindo os erros, e presente, com uma inspiração de certo modo refinada, para olharmos para frente e planejarmos um futuro com qualidade. Não podemos nos esquecer que além da concorrência interna temos a concorrência do mundo globalizado.

Quinta: Há interesse de todos os segmentos da sociedade pela construção de uma Agenda? O setor privado, tão acostumado a se dedicar a seus interesses particulares e individuais está disposto a se voltar para o público, cujo compromisso e responsabilidade é dos governos, começando pelos municipais? É elementar pensar e concordar que a felicidade de um depende da felicidade de outro e o público precisa de ajuda, pelo menos no que tange a planejar. Isso não desfaz nossa obrigação de cobrar.

Só respondendo positivamente a todas estas questões, teremos alguma chance de por a mão sobre o futuro da nossa região.


Marcos Kayser